Mata da Margaraça

A Mata da Margaraça, situada em plena Área Protegida da Serra do Açor, constitui um raro testemunho de vegetação espontânea de paisagem serrana, uma importante Reserva Biogenética. É considerada o último reduto de vegetação original do Centro do País.

Constitui uma área de 68 hectares que vale a pena conhecer pela sua frescura e biodiversidade. O carvalho, o medronheiro, a aveleira, a cerejeira, a madressilva, o martagão, o ulmeiro e a urze, a par de uma elevada cobertura de musgos, líquenes e fungos, são espécies em abundância que por lá se podem observar. No que toca à fauna, é de salientar o açor, a coruja do mato, o gavião, a águia de asa redonda, a gralha preta, o pombo torcaz, a rola e o dom-fafe que fazem da Mata a sua casa.

Cascata Fraga da Pena

Cascata Fraga da Pena – Foto de António da Silva Martins @Flickr

É em plena Mata da Margaraça que se esconde a Fraga da Pena. As águas que se despenham desta cascata correm por um vale muito apertado na montanha. Dando assim origem a uma micropaisagem que surge de forma repentina, dotada de vegetação abundante a cobrir a superfície xistosa.

Local privilegiado de encontro com a natureza. Este é um cenário idílico onde a água abre caminho por entre a vegetação e se despenha numa majestosa cascata. Uma extraordinária maravilha natural permanece intocável pelo Homem e impera uma impressionante serenidade apenas interrompida pelo som da água e do chilrear dos pássaros.

 

Adaptado de cm-arganil.pt