Espigueiros do Lindoso

Espigueiros do Lindoso

Em pleno coração do Minho, no Parque Nacional da Peneda-Gerês encontramos a localidade de Lindoso. Aqui concilia-se história, património e natureza na perfeição. É impossível ficarmos indiferentes face à beleza natural desta freguesia. Sendo alguns dos pontos de destaque a albufeira do Alto Lindoso e o Rio Lima.

Espigueiros – Foto de Bert Kaufmann @ Flickr

Mas é uma eira composta por 50 espigueiros, de pedra, do séc. XVII e XVIII que se situa junto ao Castelo e apresenta um aglomerado de rara beleza, que leva milhares de pessoas a visitarem a localidade. O conjunto de espigueiros do Lindoso estão classificados como Imóvel de Interesse Público.

A localidade é de fácil acesso, e existe um parque de estacionamento junto aos espigueiros, o que facilita a visita para quem tem problemas de mobilidade.

Os espigueiros de Lindoso assentam em pilares simples, com ou sem sapata, sendo coroados com mós ou mesas de diferentes formatos e bem talhados. É esta base que apoia o corpo do espigueiro, propriamente dito, formado por padieiras laterais com pequena saliência interna para suporte das lajes ou soleiras de lastro; as colunas, nas arestas, e, por fim, os lintéis de topo.

Espigueiros – Foto de Luísa Batalha

Um dos elementos mais interessantes residirá, contudo, no facto destas estruturas serem profusamente decoradas. Ostentam vestígios de sugestiva sacralização, a exemplo das cruzes colocadas no alto do lintel no topo frontal. Sendo o objetivo delas invocar a proteção divina sobre os produtos que continham.

Datáveis dos séculos XVIII, XIX e XX, os espigueiros conheceram maior atividade ao tempo do investimento na cultura do milho assim resguardado, quer das intempéries, quer dos animais. Estes substituíram os primitivos canastros, hoje desaparecidos, e que seriam construídos em verga, como o próprio nome indicará.

Espigueiros – Foto de Luísa Batalha

Os espigueiros estão concentrados em torno de uma única eira retangular, retratando assim a importância do trabalho coletivo. Característica esta própria das comunidades de montanha durante vários séculos.

Adaptado de: viajardemochilaascostas.blogspot.pt