Ponte da Mizarela, a Ponte do Diabo

A Ponte da Mizarela (ponte do diabo) localiza-se sobre o rio Rabagão. Fica a cerca de um quilómetro da sua foz no rio Cávado, na freguesia de Ruivães. Ruivães situa-se no concelho de Vieira do Minho, distrito de Braga, em Portugal.

Liga as freguesias de Ruivães à de Ferral, no concelho de Montalegre. Está implantada no fundo de um desfiladeiro escarpado, assente sobre os penedos e com alguma altitude em relação ao leito do rio. É sustentada por um único arco com cerca de 13 metros de vão.

Foi erguida na Idade Média e reconstruída no início do século XIX. Encontra-se classificada como Imóvel de Interesse Público desde de 30 de novembro de 1993.

Lenda da ponte da Mizarela

Reza sobre ela, a seguinte lenda:

“Diz-se que um padre, querendo fazer uma pirraça ao Diabo, se disfarçou em salteador perseguido pelas justiças de Montalegre, e foi certo dia, à meia-noite, àquele lugar para passar o rio.
Como o não pudesse passar, por meio de esconjuros, invocou o auxílio do Inimigo. Ouve-se um rumor subterrâneo e eis que aparece, afável e chamejante, o anjo rebelde: – “Que queres de mim?” – perguntou ele. – “Passa-me para o outro lado e dar-te-ei a minha alma.”
Santanás, que antegozava já a perdição do sacerdote, estendeu-lhe um pedaço de pergaminho garatujado e uma pena molhada em saliva negra, dizendo: – “Assina!”. O padre assinou.
O Demo fez um gesto cabalístico e uma ponte saiu do seio horrendo das trevas. O clérigo passa e, enquanto o diabo esfrega um olho, saca da caldeirinha da água benta, que escondera debaixo da capa de burel, e asparge com ela a infernal alvenaria, fazendo o sinal da cruz e pronunciando bem vincadas as palavras do exorcismo.
Santanás, logrado, deu um berro bestial e desapareceu num boqueirão aberto na rocha, por onde sairam línguas de fogo, estrondos vulcânicos e fumos pestilenciais.